Cuidados com a pele " Melasma"

by - setembro 08, 2010

Uma mancha acastanhada, clarinha, na bochecha que antes não estava lá e voce acha que não pode ser nada demais e acha que não precisa de proteção com um bom protetor solar e quando percebe depois essa mancha está bem maior e mais escura e ao ir no dermatologista ele diz que é Melasma.
Melasma: trata-se de um fenômeno que atinge muitas pessoas, em especial as mulheres. É caracterizado por pigmentos acastanhados – claros ou escuros – na epiderme, que aparecem nas áreas do corpo mais expostas à luz – como rosto, braços e o colo dos seios. Na face, é comum na região central (nariz, testa, queixo entre a boca e o nariz), mas também pode ser encontrado nas laterais, como nas bochechas. O problema é apenas estético e não apresenta riscos para a saúde.
As manchas em questão têm forte componente hormonal, já que são provocadas por receptores do estrógeno – hormônio produzido pelos ovários – presentes na célula de onde sai a melanina, aquela substância que dá cor à pele.
Essas alterações hormonais podem ser causadas pelo uso de anticoncepcionais, pela gestação – estima-se que 75% das gestantes tenham melasma – ou pela reposição hormonal durante o climatério (período que se segue à menopausa, a última menstruação). Mas o problema é mais comum entre as mulheres na faixa dos 30 anos.
Pigmentos ainda mais fortes  aparecem somada ao fator hormonal, a exposição à luz intensa contribui para o surgimento das manchas: ela sensibiliza a célula, que produz mais melanina. Portanto, evite tomar sol entre 10 horas e 16 horas, quando a radiação de ultravioleta é mais forte.
Quanto antes for diagnosticado, melhores são os resultados.
Ao notar manchinhas acastanhadas no rosto, no braço ou nas áreas expostas à luz, não as ignore. Procure agendar o quanto antes uma consulta com seu dermatologista, porque o tempo é um fator que vai determinar se o tratamento ajudará a clarear o melasma. O problema é puramente estético. Não traz mais complicações à saúde, a não ser para a autoestima. Afinal, quem quer conviver com desagradáveis manchinhas na pele?
Além do tempo, outro fator importante é a profundidade do melasma, ou seja, em quantas camadas da sua pele ele está difundido. Existem três tipos: o epidérmico, que ocorre nas células da epiderme; o dérmico, mais profundo, na derme; e o misto, que atinge as duas camadas. Apenas um dermatologista pode identificar a extensão dessas manchas. Com o tratamento adequado, o epidérmico, mais superficial, pode clarear completamente, explica a dermatologista Carolina Ferolla, que possui clínica em São Paulo. Já o dérmico apresenta boa melhora, porém, não some totalmente. O misto, por sua vez, tem resultados positivos na parte epidérmica, mas deixa resquícios na derme.
Em geral, os tratamentos são à base de um conjunto de intervenções, como o uso contínuo de clareadores tópicos, ácidos (glicólico e retinoico, por exemplo), sessões de peelings e também de lasers (quatro a cinco), que devem ser aplicadas em intervalos, para que a pele descanse. "É preciso cautela, principalmente com o laser, porque alguns tipos de melasmas dérmicos pioram com essa técnica", ressalva a dermatologista Meire Brasil Parada, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).
Vale a pena insistir.
O intervalo entre cada sessão deve ser determinado pelo médico, mas, em geral, a aplicação de ácidos, lasers e peelings pode ser feita semanalmente ou de 15 em 15 dias. Vale ressaltar que os procedimentos variam de caso a caso. Já os clareadores precisam ser usados diariamente. "O tratamento não tem prazo para terminar, por isso, precisa ter paciência", recomenda Carolina.
É que a célula mantém uma "memória" da mancha e, se for exposta a uma fonte de luz, sem qualquer tipo de proteção, pode voltar a produzir melanina em excesso, explica a esteticista Claudia Aparecida Costa, de São Paulo. Ela própria teve melasma. O problema apareceu pela primeira vez três anos atrás, quando surgiram pequenas manchinhas por causa do sol, e se agravou quando Claudia engravidou, devido às alterações hormonais típicas da gestação.
Depois de dar à luz, ela resolveu procurar uma dermatologista, que recomendou sessões de laser uma vez ao mês, além de peelings e da aplicação de ácido retinoico quinzenalmente. "Hoje, as manchas estão bem clarinhas", conta a esteticista, que passa bloqueador solar fator 35 duas vezes ao dia. "No verão, uso 40 para não me arriscar a conviver novamente com aquelas manchinhas."
E, por incrível que pareça, não é apenas o sol o causador desse problema. "A tela do computador e a luz fria – aquela que consome menos energia – também emitem luminosidade suficiente para estimular as células a produzirem melanina", afirma Carolina. Pois é, fica difícil imaginar alguém que consiga evitar todas essas fontes luminosas.
Por isso, se você não quiser conviver com essas desagradáveis manchinhas, previna-se passando bloqueador solar, de preferência, superior a 30. E fique atento a esta dica do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro): leia a embalagem de seu produto para saber de quanto em quanto tempo é necessário reaplicá-lo no corpo e no rosto. Quando sair ao ar livre, tente também usar chapéus. “Eles protegem e ainda proporcionam um toque de charme ao visual”, enfatiza Carolina.
Fica a dica para voces minhas leitoras mais que belas.
texto tirado so site:
http://www.portalvital.com.br/


Beijos.

You May Also Like

0 Comentaram