Bolsa de colostomia: Tudo o que você precisa saber sobre esse produto médico

Tempo de leitura:
em 19/02/2019

Comente aqui
Algumas condições clínicas tendem a exigir cuidados constantes de modo que a qualidade de vida de um paciente não seja comprometida e ele tenha que conviver com desconforto e mal estar por anos a fio. 
Graças à constante evolução da indústria farmacêutica, surgiram ferramentas e produtos inovadores que possibilitaram o tratamento de diversos problemas de saúde, servindo, inclusive, para uso depois de procedimentos cirúrgicos, como a bolsa de colostomia
Contudo, você deve estar se perguntando neste exato momento: “O que é essa tal de bolsa para colostomia e como ele pode ser útil no dia a dia dos chamados ostomizados?” Nas próximas linhas, vamos responder essa pergunta, além de abordar o assunto com mais detalhes para que você possa compreendê-lo da melhor forma possível. Continue lendo! 
Bolsa de colostomia
Foto: Reprodução/Daily Mail

O que é colostomia

A colostomia nada mais é do que uma abertura realizada na região abdominal com o objetivo de facilitar o deslocamento e eliminação das fezes pelo intestino grosso. O procedimento é realizado sempre que o paciente apresenta impossibilidade de evacuar normalmente. 
Neste caso, o uso de uma bolsa de fezes é recomendado, pois auxilia no armazenamento da excreção a fim de manter a qualidade de vida do usuário, não influenciando negativamente na sua saúde por causa de complicações derivadas do seu estado clínico delicado. 

A colostomia é classificada em três tipos: ascendente, transversa e descendente. A primeira é feita na parte ascendente do cólon (lado direito do intestino grosso). Já a segunda, por sua vez, acontece quando a porção entre o cólon ascendente e descendente é cortada. Por fim, temos a descendente, caracterizada pela perfuração do lado esquerdo do intestino grosso. 

Em quais casos a bolsa de colostomia é recomendada? 
Como não definimos de forma precisa quem é o público alvo da bolsa de karaya, é importante defini-lo a fim de orientar melhor o uso do produto a fim de torná-lo mais adaptável para aquela condição clínica específica. As situações mais comuns são as seguintes: 
Neoplasia 
Em condições normais, o corpo humano está sempre produzindo novas células que serão responsáveis por contribuir para a formação de novos órgãos, tecidos, entre outras partes. 
Quando esse processo passa a acontecer de forma descontrolada, principalmente em relação a produção da pele, ele é chamado de neoplasia. Quando ocorre próximo à região que compreende o ânus, é necessário realizar uma colostomia, que inclui o uso de uma bolsa de fezes

Amputação do reto 
Quando o paciente alega que está sentindo muita dificuldade para evacuar, dores frequentes e intensas na região do abdômen, diarréia, fezes com sangue, entre outros sintomas, isso pode ser sinal de que ele precise realizar a amputação do reto. 
Após realizado o procedimento, o médico pode recomendar a realização de outra operação que desta vez abrange a cirurgia de colostomia e o uso contínuo de uma bolsa de karaya como forma de trazer mais qualidade e conforto para o paciente. 

Corpos estranhos presos no ânus 
Todo e qualquer objeto introduzido pelo canal retal quando não feito de forma segura, pode causar diversos efeitos colaterais que podem comprometer a evacuação, tornando-a dolorosa a ponto de ser necessária a realização de uma intervenção cirúrgica de baixa, média ou alta complexidade. 
Caso a remoção do corpo estranho demore para ser realizada ou até mesmo seja impossível de ser feita, o procedimento de colostomia em conjunto com o uso de uma bolsa intestinal se torna uma das únicas saídas para amenizar o sofrimento do paciente. 

Tipos de bolsa de colostomia 

Os modelos de bolsas de colostomia disponíveis no mercado são classificados em quatro tipos: uma peça, duas peças, drenável e não-drenável. Cada um deles possui suas próprias vantagens e desvantagens, se adaptando ao perfil e necessidades do ostomizado. 
Uma peça 
Aqui encontramos a bolsa fecal e a placa fixadora formando um único item, o que influencia diretamente no seu valor final, tornando-a mais acessível. A maioria dos modelos à venda são drenáveis, permitindo o esvaziamento do seu conteúdo e também são transparentes, o que ajuda na visualização do seu interior. Não necessita de trocas constantes, pois conta com tamanho maior. 
Duas peças 
Sua principal vantagem está na sua flexibilidade de permitir que a placa fique fixada no abdômen, enquanto que a bolsa coletora pode ser removida para limpeza, facilitando sua higienização. 
Justamente por não exigir que a placa seja extraída junto com a bolsa de karaya, a incidência de irritações ao redor do estoma (área em que foi feito o corte) são reduzidas consideravelmente. 

Drenável 
Como o próprio nome sugere, a bolsa de colostomia drenável possui uma abertura na extremidade inferior que permite o seu esvaziamento assim que completar ⅓ da sua capacidade. Composta de materiais resistentes e duráveis, sua vida útil costuma ser maior do que de outros modelos similares. 
Ao ser trocada menos vezes, as chances de haver irritações ao redor do estoma se torna menor. Neste caso, o custo-benefício se torna maior, principalmente em relação à sua limpeza e manuseio. 

Não drenável 
Também conhecida como bolsa de colostomia descartável, esse tipo de saco coletor não conta com nenhuma abertura, sendo completamente vedado. Apesar de contar com a praticidade de ser descartado, assim que ⅓ do se conteúdo é preenchido, sua constante troca, quando não feita de forma adequada, pode causar irritações ao redor do estoma e, em casos mais críticos, inflamações no local. 

Como realizar a limpeza da bolsa de colostomia 
Para limpar a bolsa intestinal é importante prestar atenção em alguns pontos como o jeito mais seguro de removê-la, o modo e local ideal para descarte, além dos produtos usados na sua higienização. 
No caso de uma bolsa drenável é recomendado que o vaso sanitário seja sempre usado no esvaziamento do seu conteúdo, pois permite que eles sejam levados diretamente para o esgoto. 
Outro ponto importante de ser frisado diz respeito a forma de limpeza da bolsa. O recomendado é que ela seja feita da seguinte maneira: preencha a bolsa com uma pequena quantidade de água, feche sua saída, agite e depois esvazie a solução no vaso sanitário. Pronto, sua bolsa de colostomia está limpa e você pode continuar usando-a até que atinja o prazo de validade estipulado pelo fabricante. 


0 Comentaram :

Postar um comentário

TOPO

Instagram